Um iraniano de 27 anos foi morto pelas forças de segurança no norte do Irã depois de buzinar em comemoração à eliminação do país da Copa do Mundo de 2022 no Catar, após a derrota por 1 x 0 para os Estados Unidos.

Mehran Samak estava em Bandar Anzali, a noroeste da capital do Irã, Teerã, onde ativistas de direitos humanos dizem que ele foi baleado na cabeça pelas forças de segurança, segundo o The Guardian. Isso ocorre quando muitos iranianos estão protestando contra o regime iraniano. Samak foi um dos muitos em todo o país que comemoraram a perda nas ruas.

A morte de uma mulher de 22 anos, Mahsa Amini, provocou protestos em todo o país. Ela foi presa pela polícia de moralidade no Irã por supostamente violar o código de vestimenta conservador do país porque não estava usando um hijab. Amini morreu enquanto estava sob custódia.

CLIQUE AQUI PARA MAIS COBERTURA DE ESPORTES NO FOXNEWS.COM

Torcedores iranianos agitam bandeiras enquanto se reúnem no Aeroporto Imam Khomeini em Teerã, em 1º de dezembro de 2022, para cumprimentar a seleção iraniana em seu retorno após competir na Copa do Mundo de 2022 no Catar.
(Hadi Zand/ISNA/AFP via Getty Images)

“Women Life Freedom” agora se tornou o grito de guerra, e os protestos no Irã se estenderam ao Catar, onde a tensão foi vista publicamente entre ativistas e aqueles que apóiam o atual regime.

Ativistas viram a derrota para os EUA como um golpe para o governo.

EUA PASSA PARA A FASE DE MAIORIA COM VITÓRIA SOBRE O IRÃ

Samak também é amigo do meio-campista iraniano Saeid Ezatolahi, informou o The Guardian.

Ezatolahi se tornou viral após a partida final. As fotos mostraram Josh Sargent e DeAndre Yedlin, dos Estados Unidos, consolando-o em campo. Timothy Weah também o abordou para compartilhar algumas palavras após a vitória.

DeAndre Yedlin e Josh Sargent, dos Estados Unidos, abraçam Saeid Ezatolahi, do Irã, após uma partida do Grupo B da Copa do Mundo da FIFA Qatar 2022 no Al Thumama Stadium em 29 de novembro de 2022, em Doha, Qatar.

DeAndre Yedlin e Josh Sargent, dos Estados Unidos, abraçam Saeid Ezatolahi, do Irã, após uma partida do Grupo B da Copa do Mundo da FIFA Qatar 2022 no Al Thumama Stadium em 29 de novembro de 2022, em Doha, Qatar.
(Claudio Villa/Getty Images)

No dia seguinte, Ezatolahi compartilhou uma história no Instagram de uma foto de infância com Samak, dizendo em árabe: “Depois da amarga perda da noite passada, a notícia de sua morte incendiou meu coração”.

Ele acrescentou: “Algum dia as máscaras cairão, a verdade será revelada”.

Os jogadores iranianos não se divertiram muito no Catar. Eles teriam sido alvo de ameaças contra suas famílias depois de permanecerem em silêncio durante o hino nacional do time em sua primeira partida contra a Inglaterra, que perderam por 6–2.

COPA DO MUNDO 2022: IRANIANOS TORCEM PELO PAÍS DE ORIGEM EM MEIO A PROTESTOS CONTÍNUOS

Após ameaças do governo, eles cantaram o hino, mas com expressões severas. Eles derrotaram o País de Gales por 2 a 0, em sua segunda partida na Black Friday.

Segurança extra era necessária fora do estádio antes da partida contra os EUA, e o The Guardian acrescentou que os guardas fariam os iranianos desfraldarem suas bandeiras antes da entrada. Algumas bandeiras tinham o símbolo da República Islâmica no meio, outras não.

A equipe dos EUA postou gráficos nas redes sociais sem o símbolo, dizendo que era “apoio às mulheres no Irã que lutam pelos direitos humanos básicos”, mas depois voltou atrás devido à reação dos apoiadores do atual regime.

Saeid Ezatolahi, do Irã, parece abatido após uma partida do Grupo B entre Irã e Estados Unidos na Copa do Mundo da FIFA 2022 no Estádio Al Thumama em Doha, Catar, em 29 de novembro de 2022.

Saeid Ezatolahi, do Irã, parece abatido após uma partida do Grupo B entre Irã e Estados Unidos na Copa do Mundo da FIFA 2022 no Estádio Al Thumama em Doha, Catar, em 29 de novembro de 2022.
(Cao Can/Xinhua via Getty Images)

CLIQUE AQUI PARA BAIXAR O APLICATIVO FOX NEWS

Os EUA avançam para as oitavas de final, onde enfrentarão a Holanda no sábado, enquanto o time iraniano volta para casa, onde a tensão entre ativistas e o regime continua alta.



Source link

Leave a Comment

Your email address will not be published. Required fields are marked *